Data

09 Mai 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Vacina contra gripe protege não só grávidas como também bebés

Estudo publicado na ''Pediatrics''

Os benefícios da vacina contra a gripe não se restringem às grávidas, mas estendem-se também aos seus bebés, reduzindo significativamente o risco da doença nos primeiros seis meses de vida, revela um estudo norte-americano publicado na revista “Pediatrics”.
A gripe é uma doença viral que pode provocar dores, calafrios, febre, náuseas ou diarreia, e que pode durar mais do que uma semana. De acordo com os cientistas, as grávidas e os bebés são dois grupos que se encontram em maior risco de morte devido a esta doença.
“Os bebés não podem ser imunizados [contra o vírus da gripe] nos primeiros seis meses, por isso têm de contar com outros para os proteger contra a gripe durante esse período de tempo”, adianta a líder do estudo, Julie H. Shakib, da Universidade do Utah, nos EUA, em comunicado de imprensa.
Shakib e a sua equipa analisaram mais de 245 mil processos clínicos de grávidas e mais de 249 mil processos clínicos de bebés ao longo de nove épocas de gripe (de dezembro de 2005 a março de 2014). Apenas cerca de 10% das mulheres grávidas indicaram ter recebido vacina contra gripe.
O estudo revelou que os bebés com seis meses ou mais novos, cujas mães tinham recebido vacina contra a gripe durante a gravidez, apresentavam uma redução de 70% de casos de gripe e uma redução de 80% de hospitalizações associadas a essa doença, quando comparados com bebés cujas mães não tinham sido imunizadas contra a gripe durante a gestação.
Entre os 658 casos confirmados em laboratório de gripe, 97% ocorreram em bebés cujas mães não tinham sido imunizadas. Dos 151 casos de internamento devido ao vírus da gripe, 148 nasceram de mães que não tinha recebido a vacina.
De forma a garantir que os benefícios observados nas crianças cujas mães tinham sido vacinadas não se deviam ao acaso, os investigadores analisaram a incidência do vírus sincicial respiratório (VSR), uma infeção do trato respiratório que ocorre em bebés e crianças pequenas durante os meses de inverno. Essa análise revelou que a vacina não tinha qualquer efeito na incidência de VSR entre crianças pequenas, reforçando os achados de que os benefícios observados resultavam de facto da vacina contra a gripe que a mãe recebeu.
“As mulheres grávidas constituem um grupo de elevado risco durante a época da gripe e em surtos da mesma e deveriam, como tal, receber vacinação”, esclarece Michael Varner, coautor do estudo. “Se os prestadores de cuidados não lhes administrarem vacinação contra a gripe, eu encorajaria todas as mulheres grávidas a pedi-la”, acrescenta.