Data

24 Mai 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Flora intestinal afeta memória?

Estudo publicado na revista ''Cell Reports''

Um tipo específico de células imunitárias atua como intermediário entre as bactérias intestinais e o cérebro, dá conta um estudo publicado na revista “Cell Reports”.

Os intestinos e o cérebro comunicam entre si através de hormonas, produtos metabólicos ou ligações neuronais diretas. No estudo, os investigadores do Centro Max Delbrück para a Medicina Molecular, na Alemanha, descobriram que uma população específica de monócitos atua como uma ligação adicional.

No estudo, os investigadores administraram antibióticos a um grupo de ratinhos de forma a estes ficarem sem bactérias intestinais. Os animais submetidos ao tratamento apresentaram menos células nervosas recém-formadas numa região do cérebro conhecida por hipocampo, comparativamente com aqueles que não receberam o tratamento. A memória dos ratinhos tratados também ficou afetada, uma vez que a formação de novas células nervosas, um processo conhecido por neurogénese, é importante para determinadas funções de memória.

Os investigadores, liderados por Helmut Kettenmann, também verificaram que uma população específica de células imunitárias, os monócitos Ly6C(hi), diminuiu significativamente quando a flora intestinal foi eliminada.

De forma a verificar se os monócitos Ly6C(hi) eram responsáveis pelas alterações na neurogénese e memória, os investigadores compararam os ratinhos que não tinham sido tratados com os que tinham uma flora intestinal normal, mas que apresentavam níveis baixos de monócitos Ly6C(hi). Verificou-se que os ratinhos com níveis baixos de monócitos Ly6C(hi) apresentavam os mesmos problemas de memória que os animais que tinham perdido a flora intestinal. Contudo, quando os níveis de monócitos Ly6C(hi) foram repostos nos ratinhos tratados com antibióticos a neurogénese e a memória melhoraram.

O estudo constatou que os efeitos dos antibióticos poderiam ser revertidos através da toma de probióticos ou da prática de exercício. Verificou-se que o número de monócitos aumentou e a memória e a neurogénese melhoraram.

"Com os monócitos Ly6C(hi), talvez tenhamos descoberto uma nova via de comunicação da periferia para o cérebro”, referiu, em comunicado de imprensa, uma das autoras do estudo, Susanne Wolf.

No que diz respeito à aplicação dos resultados nos humanos, os investigadores referem que estes não demonstram que os antibióticos afetam a função cerebral, uma vez que a combinação de fármacos utilizada no estudo foi extremamente potente. Contudo, Susanne Wolf refere que é possível obter talvez os mesmos resultados com tratamentos prolongados com antibióticos.

A investigadora conclui que este estudo é pertinente no âmbito do tratamento dos indivíduos com doenças mentais, como a esquizofrenia ou depressão, que também têm problemas na neurogénese. “Para além da medicação e prática de exercício, estes pacientes podem também beneficiar da toma de probióticos”, acrescentou.