Data

23 Mai 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Estudo das necessidades dos pacientes com mieloma múltiplo ganha bolsa

Declarações da coordenadora do projeto

Investigadores portugueses receberam uma bolsa para estudar as necessidades psicossociais dos doentes com mieloma múltiplo e dos seus cuidadores, permitindo definir programas de apoio para melhorar a sua qualidade de vida.

Maria da Graça Pereira Alves, coordenadora do projeto, revelou à agência Lusa que a principal preocupação "é caracterizar a amostra de doentes e cuidadores [com mieloma múltiplo], particularmente ao nível das necessidades sentidas, e compreender a influência das variedades clínicas, sociodemográficas e psicológicas"

O projeto "Necessidades e Qualidade de Vida em Doentes com Mieloma Múltiplo e seus Cuidadores" ganhou a primeira bolsa da Associação Portuguesa Contra a Leucemia e Associação Portuguesa de Leucemias e Linfomas, no valor de oito mil euros.

"Pretendemos contribuir para criar programas de intervenção que possam promover a qualidade de vida e responder às necessidades, quer dos doentes, quer dos cuidadores", referiu a investigadora do Centro de Investigação em Psicologia da Universidade do Minho realçando que se trata do primeiro trabalho português a estudar o par doente e cuidador em simultâneo, analisando o que no paciente influencia o cuidador e o que no cuidador afeta o paciente.

O estudo permite informar a intervenção e o apoio prestado pelas associações portuguesas de ajuda a estes pacientes, criando projetos de apoio integrados, baseados em investigação.

De acordo com Maria da Graça Pereira Alves, espera-se que existam 300 novos casos por ano desta doença, que é ainda pouco conhecida.

Segundo um estudo realizado há dois anos, cerca de um quarto dos pacientes com mieloma múltiplo tinha sintomas depressivos e de ansiedade e metade dizia necessitar de intervenção psicossocial, principalmente se fossem mais jovens e deprimidos, recordou a investigadora.

"O stress emocional é algo muito importante nestes doentes, até porque o próprio tratamento também pode provocá-lo e dai que seja importante avaliarmos estes aspetos", referiu a especialista da Universidade do Minho.

A equipa de psicólogos clínicos e da saúde, que inclui um especialista da Universidade de Aveiro, pretende analisar o apoio social que estes doentes e os cuidadores podem ter, uma ajuda que "ameniza ou amortece o efeito do stress".

O mieloma múltiplo é uma doença maligna rara que afeta os plasmócitos – células sanguíneas da medula óssea e é o tipo mais comum de tumor das células plasmáticas, representa cerca de 1% dos tipos de cancro e cerca de 10% das doenças malignas do sangue.