Data

29 Nov 2018



Fonte

Jornal de Notícias





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Médicos denunciam "piquetes" de enfermeiros a adiar e obstaculizar cirurgias

O Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos denunciou a existência de "piquetes de greve" de enfermeiros à entrada dos blocos operatórios para "atrasar, obstaculizar ou adiar" as cirurgias que não cumprem o critério de serviços mínimos.

"A Ordem dos Médicos reconhece o direito à greve dos enfermeiros e isso é inalienável dos direitos que têm de reclamar contra as condições de trabalho ou outras quaisquer reivindicações, mas vê com muita preocupação a existência de piquetes de greve à entrada dos blocos operatórios, pondo em causa a indicação clínica de urgência dos doentes", disse à Lusa o presidente do Conselho Regional, António Araújo.

Cerca de três mil cirurgias programadas adiadas e blocos operatórios a trabalhar em serviços mínimos é o balanço da primeira semana da greve cirúrgica dos enfermeiros que termina no final do ano, disse à Lusa uma fonte sindical.

"Neste momento temos uma média de 500 cirurgias programadas por dia que estão a ser adiadas e temos todos os blocos a trabalhar praticamente em serviços mínimos", sendo "muitos pontuais as salas que estão a trabalhar com não grevistas", adiantou Lúcia Leite, presidente da Associação Sindical Portuguesa de Enfermeiros (ASPE), que convocou a greve juntamente com o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor).

 

Poderá consultar a notícia completa no seguinte endereço.