Data

27 Set 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Traumatismo crânio encefálico grave atinge anualmente 600 portugueses

Dados da Associação Novamente

Anualmente morrem em Portugal, 600 pessoas em Portugal vítimas de um traumatismo crânio encefálico grave, devido a acidentes, quedas ou agressões, entre outras causas, segundo dados da Associação Novamente.

“A cada ano o número de novos casos graves é de 6.000, sendo que 600 pessoas morrem em fase de coma”, referiu a associação à agência Lusa informando que nos últimos 20 anos foram registados 275 mil casos.

De forma a alertar para esta problemática, a associação, que apoia traumatizados crânio encefálicos e as suas famílias, promoveu ontem, na Fundação Calouste Gulbenkian, uma mesa redonda que reuniu organizações de saúde e instituições.

O objetivo foi discutir o caminho a percorrer, no apoio diário às vitimas e cuidadores, avaliar o trabalho desenvolvido e a eficácia dos serviços prestados e as lacunas existentes, tendo em conta os mais de 200.000 jovens adultos a viver hoje com sequelas graves.

Existem dois tipos de vítimas: pessoas com idades entre os 25 e os 50 anos, que são sobretudo vítimas de acidentes, e os mais velhos, que são vítimas de quedas. A maioria dos doentes que sobrevive recupera a consciência e apenas um a dois por cento ficam em coma permanente.

Vera Bonvalot explicou que as pessoas se lembram de como eram antes do acidente e “pensam bem as coisas". Poderão, no entanto, "não conseguir falá-las e transmiti-las bem” e andar “um bocadinho desequilibradas por o cérebro não comandar bem a marcha”.

“Cada traumatismo de crânio grave é um caso diferente por causa da zona que é afetada e do grau da sequela”, explicou a responsável.

Com a ajuda de parceiros, a Novamente criou alguns serviços para apoiar estas vítimas, mas percebeu que as entidades com decisão tinham que conhecer números, dados e participar na procura de soluções com a associação.

“Descobrimos ao longo do processo que as decisões de qualquer entidade, como a Direção-Geral da Saúde, o Instituto Nacional de Reabilitação (INR) ou o Instituto de Emprego” devem ser tomadas em conjunto, caso contrário “corre-se o risco da decisão não ser correta”, defendeu a responsável.