Data

07 Set 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Tamanho fetal reduzido aumenta risco de asma

Estudo da Universidade de Aberdeen

Um tamanho fetal reduzido está associado a um risco de asma aumentado e a uma menor função pulmonar nas crianças entre os cinco e os 15 anos de idade, sugere um estudo apresentado no Congresso Internacional da Sociedade Respiratória Europeia.

O estudo conduzido pelos investigadores da Universidade de Aberdeen, no Reino Unido, sugere que os fatores pré-natais na gravidez contribuem para o bem-estar respiratório durante toda a vida da criança.

Numa pesquisa anterior, os investigadores, liderados por Stephen Turner, já tinham associado o tamanho reduzido do feto no primeiro e segundo trimestres de gravidez a um risco aumentado de asma aos dez anos de idade. Neste estudo, a mesma equipa de cientistas decidiu averiguar se o tamanho fetal reduzido estava associado a uma função pulmonar reduzida e a asma persistente entre os cinco e os 15 anos.

Para o estudo, os investigadores recrutaram um total de duas mil mães entre 1997 e 1999. O tamanho fetal no primeiro e segundo trimestres de gravidez foi avaliado através de ecografias de rotina. A asma e a função pulmonar foram determinadas aos cinco, dez e 15 anos.

Os investigadores constataram que os fetos maiores apresentavam um risco reduzido de asma e tinham uma melhor função pulmonar. O tamanho fetal foi expresso sob a forma de pontuação z, um método estatístico utilizado para diferenciar dos parâmetros normais. Cada aumento de uma unidade na pontuação Z no tamanho fetal no primeiro trimestre foi associado a um risco 22% menor de asma entre os cinco, 10 e 15 anos.

O aumento do tamanho do feto foi também associado a um aumento da função pulmonar. A asma persistente foi associada a reduções do tamanho do feto no primeiro e segundo trimestres de gravidez, bem como a uma diminuição do volume máximo de ar que é possível exalar no primeiro segundo numa expiração forçada aos cinco, dez e 15 anos, comparativamente com os outros grupos.

Stephen Turner, um dos autores do estudo, refere que o tamanho fetal no primeiro trimestre é relevante para os sintomas e fisiologia respiratória até aos 15 anos de idade. “Estes resultados sugerem que os fatores pré-natais contribuem para o bem-estar das vias respiratórias ao longo da vida”, referiu, em comunicado de imprensa, o investigador.