Data

27 Set 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Sucralose não está associado ao cancro

Estudo publicado no ''Nutrition and Cancer: An International Journal''

Numa altura em que a obesidade é considerada um dos mais graves problemas de saúde, as pessoas tendem a utilizar cada vez mais alternativas aos produtos calóricas, como é o caso da sucralose. Investigadores do Reino Unido constaram que apesar de alguns receios, este adoçante não calórico não está associado ao cancro, atesta um estudo publicado no “Nutrition and Cancer: An International Journal”.

Os investigadores da Universidade de Londres, no Reino Unido, fizeram uma revisão de estudos que avaliaram a potencial carcinogenicidade da sucralose tendo-os colocado no contexto daqueles solicitados pelos órgãos reguladores nacionais e internacionais para fazer recomendações sobre a segurança de novos produtos alimentares.

Estes estudos foram concebidos para maximizar a possibilidade de detetar efeitos potencialmente adversos, e como tal, são esperados resultados adversos em qualquer ponto do estudo.

Muitos estudos analisaram resultados de doses cerca de centenas a milhares de vezes mais elevadas do que qualquer nível razoável de consumo. Os estudos analisados incluíram observações sobre o consumo de sucralose, em quantidades equivalentes a 33,5 a 224,5 kg de açúcar por dia para um adulto com um peso de cerca de 75kg.

A dose diária aceitável de sucralose, estabelecida pela Organização de Alimentação e Agricultura / e pelo comité de especialistas da Organização Mundial da Saúde em aditivos alimentares, é de 0 a 15 mg / kg de peso corporal / dia. Nos estudos revistos, verificou-se que mesmo quando os níveis de exposição ultrapassaram em larga escala os valores recomendados, a sucralose não apresentou atividade carcinogénica.

Colin Berry, um dos autores do estudo, referiu que são frequentemente levantadas preocupações sobre quais os componentes que fazem parte do nosso quotidiano que afetam as taxas do cancro. O tabagismo e luz solar são os fatores mais apontados e a obesidade está a começar a ser também apontada como um fator importante. Desta forma, a utilização de adoçantes com baixas calorias, que são importantes para muitos indivíduos para o controlo do peso, necessita de ser analisada cuidadosamente.

O investigador conclui que esta revisão dos estudos sobre os efeitos da sucralose deve tranquilizar os utilizadores deste tipo de adoçante e pode ser útil para os cientistas e para os profissionais de saúde que podem ser questionados sobre a segurança da sucralose.