Data

30 Set 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Quase metade dos idosos tem excesso de peso

Estudo da Universidade do Porto

Cerca de 44% dos idosos portugueses apresentam excesso de peso e 39% têm obesidade, dá conta um estudo da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP).

De acordo com os dados, ao qual a agência Lusa teve acesso, e que foram obtidos no âmbito do “Nutrition UP 65” (projeto sobre o estado nutricional dos portugueses com mais de 65 anos), a taxa de homens com excesso de peso (cerca de 50%) é superior à das mulheres (que fica pelos 40,3%), sendo, no entanto, a obesidade maior nas mulheres (44,5%) do que nos homens (30,6%).

O projeto, que teve início em abril de 2015, tem como objetivo aumentar o conhecimento dos profissionais de saúde e criar mudanças a médio e longo prazo na vida da população idosa.

Até à data, o projeto, coordenado por Teresa Amaral, analisou os dados entre dezembro de 2015 e junho de 2016, numa amostra representativa de 1.500 pessoas idosas, de acordo com o intervalo de idades, o género, o nível de ensino e a área regional do país.

Relativamente à desnutrição, que afeta cerca de 15% dos idosos, a prevalência de mulheres desnutridas ou em risco nutricional é de 18,7%, superior à dos homens, que ronda os 13%.

Quanto à sarcopenia (perda de massa, força e função musculares em consequência do envelhecimento), cerca de um décimo da população idosa apresenta os sinais, sendo semelhantes os valores em ambos os sexos.

No que diz respeito à hidratação, os dados indicam que 494 participantes, mais de um terço da amostra, estavam desidratados, apresentando os homens uma proporção mais elevada (47,1%), em comparação com as mulheres (30,5%).

O estudo apurou ainda que a grande maioria dos idosos, mais de 85%, consome sal em excesso, sendo o valor mais alto registado nos homens, 91,8%, ficando as mulheres pelos 80,4%. Cerca de sete em cada dez apresenta deficiência em vitamina D, com maior prevalência nas mulheres, com uma percentagem de 72,7%, superior aos 63,7% verificados nos homens.

Segundo o investigador da FCNAUP, Rui Valdiviesso, as alterações no estado nutricional têm implicações na fragilidade – associada à uma maior morbilidade e mortalidade nos idosos –, apresentando 20,6% dos idosos sinais desse fator, com uma maior incidência nas mulheres (25,5%) comparativamente aos homens (14%).

Os baixos níveis de vitamina D, a desidratação e o elevado consumo de sal também se associam a complicações clínicas.