Data

26 Set 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Pessoas em risco de desenvolver doença deveriam ter orientação psicossocial

Defende investigadora do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde

A par dos testes genéticos laboratoriais, as pessoas em risco de desenvolver doença com grande impacto na sua vida deveriam ter orientação psicossocial, defendeu uma investigadora do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), do Porto.

Milena Paneque falou no âmbito da comemoração dos 30 Anos da Genética Preditiva em Portugal, organizada pelo i3S, e que incluiu uma homenagem à neurologista e investigadora, Paula Coutinho, que se dedicou ao estudo das doenças neurodegenerativas, em particular à paramiloidose e à doença de Machado-Joseph, e uma das maiores impulsionadoras da genética preditiva em Portugal.

“O confronto com o risco de vir a desenvolver uma doença tem um enorme impacto na vida de um indivíduo que se estende ao núcleo familiar e social”, sendo, por isso, essencial “uma orientação psicossocial a par dos testes genéticos laboratoriais”, referiu Milena Paneque à agência Lusa.

Milena Paneque lembrou que foi em 1986 que começaram a ser feitos os primeiros testes bioquímicos a pessoas saudáveis em risco para a paramiloidose (PAF), vulgarmente conhecida por “doença dos pezinhos”.

“Só cerca de 10 anos mais tarde se consolidaria a prática da Genética Preditiva”, com recurso a marcadores genéticos e com uma prática orientada por um “Protocolo de Teste Preditivo”, documento fundador, escrito por Jorge Sequeiros, atualmente investigador do i3S e fundador e diretor do Centro de Genética Preditiva e Preventiva, um serviço clínico de diagnóstico do mesmo instituto.