Data

09 Set 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Gémeos devem nascer às 37 semanas

Estudo publicado no ''British Medical Journal''

Os gémeos devem nascer às 37 semanas de gestação para minimizar os riscos de morte fetal e neonatal, sugere um estudo publicado no “British Medical Journal”.

A comunidade científica há muito que sabe que o risco de morte fetal intrauterina é maior nas gravidezes de gémeos, comparativamente com as gravidezes de um só feto. Desta forma, as gravidezes de gémeos são muitas vezes antecipadas de forma a impedir a morte fetal. No entanto, ainda não se sabe ao certo qual a idade gestacional ótima para induzir o parto de forma a minimizar os riscos.

As recomendações atuais oscilam entre as 34 e as 37 semanas de gestação para as gravidezes de gemelares monocoriónicas, em que os fetos partilham a mesma placenta, e entre as 37 e as 39 semanas para gravidezes de gemelares dicoriónicas, caracterizadas pela presença de duas placentas.

Com o intuito de clarificar esta temática, uma equipa internacional de investigadores analisou 32 estudos publicados ao longo dos últimos dez anos, que incluíram gravidezes de gémeos sem complicações. Foi comparada a mortalidade intrauterina e a mortalidade neonatal em diversas idades gestacionais após as 34 semanas. No total, os estudos incluíram 35.171 gravidezes gemelares.

O estudo apurou que nas gravidezes dicoriónicas, o risco de morte fetal intrauterina e morte neonatal foi equilibrada até à 37.ª semana de gestação. Contudo, o adiamento do parto por uma semana aumentava risco de morte fetal intrauterina em 8,8 mortes por cada mil gravidezes.

Nas gravidezes monozigóticas, o risco de morte fetal parece ser maior do que o de morte neonatal a partir da 36.ª semana de gestação.

As taxas de morbidade neonatal, incluindo síndrome de desconforto respiratório, septicemia ou convulsões neonatais e admissão em unidades de cuidados intensivos neonatais sofreram uma redução consistente com o aumento da idade gestacional tanto nas gestações monocoriónicas como nas dicoriónicas.

Assim, com base nestes resultados, os investigadores sugerem que para as mulheres com gravidezes gemelares dicoriónicas, o parto deve ser realizado à 37.ª semana de gestação de forma a evitar o aumento de mortes fetais intrauterinas. Relativamente às gravidezes gemelares monocoriónicas ainda não existem evidências suficientes para aconselhar o parto antes da 36.ª semana de gestação.