Data

06 Set 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Crianças com doença renal partilham experiências em campo de férias

Iniciativa da Associação Portuguesa de Insuficientes Renais

Mais de duas dezenas de crianças com insuficiência renal participaram na semana passada num campo de férias em São Domingos de Rana, Cascais, para atividades e partilha de experiências que as façam lidar melhor com a doença.

Este campo de férias denominado "CRESCE" e organizado pela APIR (Associação Portuguesa de Insuficientes Renais) é destinado especialmente a crianças e jovens, entre os 9 e os 17 anos, que em comum têm a doença renal crónica, nas suas diversas fases, desde pré-diálise, hemodiálise e transplantados.

"Ser criança insuficiente renal não é uma doença comum e não é fácil, para eles, encontrarem no dia-a-dia crianças na mesma situação. Não se encontram sem ser em situação hospitalar e assim podem conviver com outros meninos num outro ambiente", explicou à agência Lusa Matilde Campos, dirigente da APIR.

De acordo com esta responsável, o campo de férias é a oportunidade de as crianças com insuficiência renal poderem "falar da doença, comparar a vida, comparar as cicatrizes e as experiências" e isso, "fá-los crescer nisto, que é ter uma doença crónica, e podem evoluir no futuro com uma melhor qualidade de vida".

Apesar de o campo de férias só decorrer durante seis dias, o grupo acaba por criar laços de amizade e o contacto mantém-se ao longo do ano. "Todos eles ficam amigos. Criaram um grupo no Facebook que interage continuamente durante o ano e fazem questões e nós, técnicos e enfermeiros, também participamos e ajudamos", acrescentou Matilde Campos.

De acordo com a monitora do grupo, Ana Pastoria, as crianças lidam bem com a doença e falam disso com frequência.

"Não é um campo de férias deprimente e em que está toda a gente triste. Todos nós sabemos como se lida e a melhor maneira de fazer as coisas, quer na alimentação saudável e atividades sem risco. E os que não sabiam lidar tão bem, depois desta semana vão saber", acrescentou.