Data

02 Set 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Cafeína pode reverter défices de memória

Estudo publicado na revista ''Scientific Reports''

Uma equipa internacional de investigadores identificou o mecanismo através do qual a cafeína neutraliza os défices cognitivos associados à idade, revela um estudo publicado na revista “Scientific Reports”.

O estudo levado a cabo pelos investigadores do Instituto de Medicina Molecular, em Portugal, em colaboração com cientistas do Inserm, em França bem como equipas alemãs e americanas, apurou que a expressão anormal de um recetor específico, a adenosina A2A, no cérebro de ratinhos induzia um perfil semelhante ao envelhecimento, nomeadamente problemas de memória associados à perda de mecanismos de controlo do stress.

Luísa Lopes, a investigadora portuguesa que conduziu a investigação, explicou que este estudo faz parte de um outro iniciado há cerca de quatro anos, no qual foi identificado o papel deste recetor no stress. Contudo, ainda não se sabia que a sua ativação era capaz de ser suficiente para desencadear todas as alterações.

Neste estudo, os investigadores constaram que a alteração da expressão deste recetor nos neurónios do hipocampo e córtex – áreas associadas à memória – era suficiente para induzir um perfil a que os cientistas designaram por “envelhecimento precoce”, que combina a perda da memória com um aumento dos níveis da hormona do stress, o cortisol, no sangue.

Os investigadores verificaram que quando os animais eram tratados com um análogo da cafeína, que bloqueia a ação dos recetores adenosina A2, tanto os problemas de memória como de stress ficaram normalizados.

David Blum, o diretor de investigação do Inserm, refere que nos idosos há um aumento das hormonas do stress que têm impacto na memória.

“O nosso trabalho defende a ideia de que os efeitos pró-cognitivos dos antagonistas A2AR, nomeadamente a cafeína, observados na doença de Alzheimer e nos distúrbios cognitivos associados à idade, podem ter por base a sua capacidade de neutralizar a perda de mecanismo de controlo do stress que ocorre com o envelhecimento”, referiu o investigador.

Luísa Lopes conclui que estes achados são importantes não apenas para compreender as alterações que ocorrem no envelhecimento, mas também identifica as disfunções do recetor da adenosina A2A, o qual tem um papel importante no desencadeamento destas mudanças, sendo também um alvo terapêutico muito atrativo.