Data

01 Set 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Ácido fólico pode proteger contra malformações congénitas do coração

Estudo publicado na revista ''Circulation''

O consumo de alimentos enriquecidos com ácido fólico está associado a uma menor taxa de malformações congénitas do coração, atesta um estudo publicado na revista “Circulation”.

O ácido fólico é especialmente importante para a rápida divisão celular e crescimento, nomeadamente quando o sangue está a ser formado, e na gravidez, quando o feto se está a desenvolver rapidamente. Deficiências em folato podem resultar em várias complicações, sendo as mais importantes os defeitos no tubo neural, como espinha bífida, bem como defeitos na coluna vertebral e da medula espinal nas crianças e anemia.

Neste estudo, os investigadores da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, analisaram, entre 1990 e 2011, os dados de mais de seis milhões de nascimentos. Para a análise foi tida em conta a idade materna, gravidezes múltiplas, complicações na gravidez, diagnóstico pré-natal e interrupções da gravidez.

O estudo apurou que o enriquecimento de alguns alimentos com ácido fólico estava associado a uma redução de 11% na taxa de cardiopatias congénitas. Verificou-se que os efeitos benéficos do ácido fólico foram apenas observados em alguns tipos de cancro.

Os investigadores verificaram que ocorreu uma redução de 27% no risco de anomalias conotruncais, de 23% no estreitamente da aorta e uma diminuição de 15% nos defeitos ventricular e atrial. Contudo, não se observaram alterações no que diz respeito à incidência de anomalias cromossómicas.

De acordo com os autores do estudo, estes resultados mostram que existe de facto uma associação entre o enriquecimento de alimentos com ácido fólico e a prevalência de subtipos de malformações congénitas do coração. “As associações foram mais fortes para as anomalias conotruncais e estreitamento da aorta e mais modestas para os defeitos do septo”, referiram, em comunicado de imprensa, os cientistas.

K.S. Joseph, um dos autores do estudo, chama assim a atenção para a importância da toma de ácido fólico para as mulheres que estão a tentar engravidar, uma vez que podem não receber a quantidade adequada de folato através da dieta. Apesar de o enriquecimento de alimentos com ácido fólico ter como objetivo a redução de defeitos do tubo neural, o estudo demonstrou que o ácido fólico pode ter também um efeito benéfico em alguns subtipos de malformações congénitas do coração, que coletivamente são mais comuns.

O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças, nos EUA, recomenda que as mulheres tomem, por dia, 400 microgramas de ácido fólico pelo menos um mês antes de engravidar.