Data

21 Out 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Ministro quer exames realizados dentro do SNS

Declarações do ministro da Saúde

Em 2017, o Governo vai arrancar com a criação de centros de responsabilidade integrada e criar incentivos para que os exames médicos se realizem dentro do Serviço Nacional de Saúde (SNS), sem recorrer a convencionados.

O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde durante a comissão parlamentar, onde foi chamado para prestar esclarecimentos sobre o despacho que obriga os hospitais a controlar a despesa.

Relativamente à política geral de saúde, Adalberto Campos Fernandes revelou que “vai arrancar finalmente com a criação de centros de responsabilidade integrada” e que está a ser estudada a inclusão no SIGIC (programa de combate às listas de espera) da possibilidade de pagar incentivos para a realização de Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica (MCDT).

De acordo com o ministro, a “única limitação para a internalização” são os direitos de acesso, que preveem tempos máximos de resposta garantidos para o acesso àqueles cuidados de saúde.

Com os centros de responsabilidade integrada será possível realizar mais exames diferenciados dentro do SNS. Adalberto Campos Fernandes defende que o ideal é internalizar o mais possível os exames, sem ter de estar a pagar aos convencionados.

O ministro revelou ainda que até ao final do ano estarão aprovados mais de 60 medicamentos inovadores, o que constitui um “número recorde”.

Quanto às unidades hospitalares, ficou a saber-se que o Hospital do Oeste vai passar a Entidade Pública Empresarial, que no próximo ano serão iniciados os trabalhos de lançamento de concurso para construção do Hospital do Oriente (que não estará concluído antes de 4/5 anos) e que o Algarve “merece a equação de um hospital central de cariz universitário”.

Adalberto Campos Fernandes anunciou ainda a construção de 34 centros de saúde no próximo ano, alguns já em execução, no âmbito de protocolos com autarquias.

Serão ainda construídos fora destes protocolos, apenas sob a responsabilidade da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, mais dois centros de saúde em 2017: um em Corroios (Seixal) e outro em Peniche.