Data

14 Out 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Doenças transmitidas por alimentos estão subdiagnosticadas

Alerta especialista

As doenças transmitidas por alimentos estão subdiagnosticadas e subnotificadas, alerta uma especialista em segurança alimentar, salientando que os dados recolhidos representam apenas “uma pequena fração” das doenças que ocorrem na realidade.

“Para a maior parte das doenças, o que é capturado pelas autoridades de vigilância da saúde públicas representa apenas uma pequena fração das doenças que ocorrem na realidade”, uma situação que “é transversal à maioria dos países”, referiu, à agência Lusa, Sara Monteiro Pires.

A investigadora do Instituto Nacional de Alimentação, da Universidade Técnica da Dinamarca, refere que há dados de vigilância epidemiológica recolhidos pela Direção-Geral da Saúde, mas “ainda há muita subnotificação e subdiagnóstico”, apesar do reconhecimento da importância da segurança alimentar ser crescente.

“Portugal não está nada atrás de outros países europeus a nível de segurança alimentar. As autoridades e a indústria têm tido um papel extraordinário, sobretudo na última década, para prevenir doenças de transmissão alimentar. O que falta são dados”, realçou.

O número de casos reportados é sempre inferior ao número de casos reais, até porque nem sempre as pessoas doentes vão ao médico: “As pessoas que têm uma gastroenterite, a maior parte das vezes, assumem que é autolimitante, que tem curta duração e que passa sem tratamento, e quando vão ao médico estes nem sempre requisitam uma amostra”, explicou a especialista.

Habitualmente, os casos reportados em Portugal estão associados a surtos, mais ou menos focados, num grupo de pessoas que consumiram alimentos contaminados e que ficaram doentes, o que leva a uma investigação e posterior notificação do surto.

As doenças transmitidas pelos alimentos apresentam diferenças regionais. As últimas estimativas para a região europeia alargada, que abrange cerca de 50 países, indicam que os agentes mais importantes são bactérias e vírus que causam gastroenterites diarreicas, nomeadamente a Campylobacter, a salmonela e o norovirus. Em Portugal, a salmonelose permanece no topo dos casos reportados.

“Há imensos fatores que contribuem” para este tipo de doenças, mas a maior parte está associada a agentes com origem animal.

A contaminação pode ocorrer nas várias fases da cadeia alimentar, mas a maior parte dos agentes acaba por morrer se os alimentos forem cozinhados de forma adequada.