Data

10 Out 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Diabetes: desenvolvido método de medição da glucose mais preciso

Estudo publicado na revista "Science Translational Medicine"

Investigadores americanos desenvolveram um novo método para estimar os níveis de glucose no sangue o qual reduz para metade os erros de diagnóstico em relação ao teste atual da diabetes, dá conta um estudo publicado na revista “Science Translational Medicine”.
Para calcular as médias de glucose no sangue, os médicos utilizam o teste HbA1C, que mede a chamada hemoglobina glicada, a quantidade de glucose absorvida pelos eritrócitos ao longo de um período prolongado de tempo. Contudo, este teste não é muito preciso.
Os investigadores Hospital Geral de Massachusetts e da Escola de Medicina de Harvard, nos EUA, referem que apenas 15 miligramas de glucose por decilitro de sangue podem indicar a diferença entre os valores normais elevados num indivíduo sem diabetes e valores anormais baixos num paciente com a doença. O teste da HbA1C pode conduzir a leituras idênticas para as pessoas com níveis médios de glucose no sangue que podem diferir até 60 mg/dl. Por outro lado, os indivíduos com níveis de glucose no sangue semelhantes podem obter resultados muito divergentes. Apesar de os cientistas não saberem ao certo quais os motivos desta discrepância, a idade dos eritrócitos tem sido recentemente apontada como a principal suspeita.
John Higgins, um dos autores do estudo, explica que ao que parece os eritrócitos mais velhos tendem a absorver mais glucose comparativamente com os mais novos. Assim, duas pessoas com a mesma quantidade de glucose no sangue podem apresentar resultados diferentes no teste HbA1C, os quais são dependentes do tempo de vida dos eritrócitos.
De forma a eliminar este tipo de influência, os investigadores desenvolveram uma fórmula que tem por base vários valores, incluindo medidas diretas dos níveis de glucose, bem como o tempo de vida dos eritrócitos.
Posteriormente, os cientistas compararam as estimativas da glucose no sangue ajustadas à idade de 200 pacientes com diabetes com aquelas obtidas através do teste HbA1C padrão e também com as leituras obtidas através de monitorização contínua da glucose.
Os investigadores verificaram que o teste HbA1C padrão poderia apresentar um desvio de 15 mg/dl, ou mais, num em cada três pacientes. Ao ter em conta a idade dos glóbulos vermelhos, a taxa de erro diminui para um em dez.
Os autores do estudo concluíram que a incorporação do novo modelo nos testes já existentes pode conduzir a um diagnóstico, monitorização e tratamentos personalizados mais específicos.