Data

07 Out 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Desenvolvimento neuromuscular: glutamato desempenha papel importante

Estudo publicado no ''Journal of Neuroscience''

Investigadores americanos descobriram que, para além da acetilcolina, o glutamato também está envolvido na forma como os músculos e as células nervosas estão ligadas durante o desenvolvimento, dá conta um estudo publicado no “Journal of Neuroscience”.

Neste estudo, os investigadores da Universidade de Buffalo e da Universidade Johns Hopkins, nos EUA, decidiram adotar uma nova abordagem para a questão antiga de como se desenvolvem as ligações entre a espinal medula e os músculos.

Cada músculo é constituído por muitas fibras musculares individuais e, em adultos, cada uma dessas fibras musculares está ligada a um único neurónio motor. No entanto, este arranjo simples não é o que se observa ao nascimento. Nesta fase, cada fibra muscular pode estar associada a dez neurónios.

O processo que permite que um neurónio motor permaneça enquanto os outros são retraídos parece ser o seguinte, de acordo com os pesquisadores: o nervo que é mais eficaz na ativação do músculo é aquele que ganha.

Ao longo de várias décadas, a comunidade científica assumiu que o processo de “poda” começava com a libertação do neurotransmissor acetilcolina da célula nervosa. O que parecia lógico, uma vez que os neurónios motores necessitam de facto de quantidades elevadas de acetilcolina.

Contudo, os investigadores, liderados por Kirkwood Personius, constataram que o glutamato, o neurotransmissor mais comum no cérebro, também está envolvido neste processo. As células nervosas libertam uma molécula que é convertida em glutamato, e este por sua vez ativa os recetores do glutamato, recetores NMDA, no músculo.

Os recetores NMDA são um dos vários tipos de moléculas que respondem ao glutamato. Estes são especialmente importantes para controlar o desenvolvimento cerebral, a aprendizagem e a plasticidade sináptica. De acordo com o investigador, nunca ninguém tinha pensado que os recetores NMDA estivessem envolvidos na inervação dos músculos.

Os investigadores testaram em ratinhos a hipótese de a ativação do recetor do glutamato modelar o desenvolvimento do sistema neuromuscular de várias formas. Todas elas comprovaram a sua suspeita. Adicionalmente, o estudo demonstrou que a resposta do músculo ao glutamato é muito forte ao nascimento, mas rapidamente desaparece à medida que os ratinhos se desenvolvem.

Na opinião dos investigadores, este estudo pode ajudar a compreender por que motivo o retorno da função muscular é frequentemente limitado após um trauma nervoso periférico.