Data

21 Nov 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Problemas sono podem aumentar risco de batimentos cardíacos irregulares

Estudo da Universidade da Califórnia

As interrupções do sono podem aumentar o risco de batimentos cardíacos irregulares, uma condição conhecida por fibrilhação auricular, revela um estudo apresentado nas sessões científicas de 2016 da Associação Americana do Coração.
Apneia obstrutiva do sono, o sono interrompido por pausas na respiração, é um risco conhecido de fibrilhação auricular que pode conduzir a acidentes vasculares cerebrais, insuficiência cardíaca e outras complicações cardíacas. Contudo, até à data ainda não estava claro se havia uma relação entre o sono interrompido e a fibrilhação auricular na ausência de apneia.
Com o intuito de clarificar esta temática, os investigadores da Universidade da Califórnia, nos EUA, utilizaram três fontes para confirmar os efeitos de um sono pobre na fibrilhação auricular. As fontes incluíram o “Health eHeart Study”, um estudo on-line que incluiu mais de 4.600 indivíduos, o “Cardiovascular Health Study”, que contou com a participação de 5.700 pessoas, e o “Healthcare Cost and Utilization Project”, uma base de dados hospital que inclui quase 14 milhões de pacientes.
Nos três estudos, os investigadores ajustaram os efeitos da apneia obstrutiva do sono e fatores de risco da fibrilhação auricular que também podem estar relacionados com o sono, incluindo sexo, raça, diabetes, pressão arterial elevada, insuficiência cardíaca e tabagismo.
O estudo apurou que o sono interrompido, incluindo a insónia, pode estar independentemente associado à fibrilhação auricular. Os indivíduos que diziam acordar com frequência durante a noite apresentavam um risco 26% mais elevado de desenvolver fibrilhação auricular, comparativamente com aqueles que despertavam menos.
Numa análise separada, os mesmos investigadores fizeram uma revisão de um subconjunto do “Cardiovascular Health Study” de forma a perceber o efeito das interrupções do sono durante diferentes fases do sono, sem apneia obstrutiva do sono, nos riscos de fibrilhação auricular. Verificou-se que ter menos sono de movimento rápido dos olhos (REM) do que de outras fases do sono está associado a um maior risco de desenvolvimento de fibrilhação auricular.
Na opinião dos investigadores, pode haver algo específico sobre como o sono afeta o sistema nervoso autónomo, o qual desempenha um papel importante no controlo da frequência cardíaca e da pressão arterial.
Matt Christensen, um dos autores do estudo, refere que uma das possíveis explicações para a associação entre as interrupções do sono e fibrilhação auricular pode passar pelo facto de a vigília frequente produzir um stress adicional nas câmaras do coração.
Apesar de ainda não se conhecerem os mecanismos responsáveis, os investigadores acreditam que as estratégias para melhorar o sono podem ajudar a prevenir esta arritmia importante.
A falta de sono está associada a outros fatores de risco da doença cardíaca, tais como a pressão arterial elevada, a obesidade e acidente vascular cerebral. Portanto, é importante saber como obter uma boa noite de descanso.