Data

08 Nov 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Flora intestinal afeta resposta imunitária

Estudo publicado na revista ''Cell''

Uma equipa internacional de investigadores descobriu como diferenças na flora intestinal afetam a resposta imune nos indivíduos saudáveis, dá conta um estudo publicado na revista “Cell”.

No estudo, liderado pelos investigadores do Centro Médico da Universidade de Radboud, na Holanda, foram analisadas amostras de sangue e de fezes de 500 indivíduos europeus saudáveis para avaliar as variações nas respostas imunológicas aos agentes patogénicos.

As células imunitárias dos participantes foram expostas às bactérias Bacteroides fragilis e Staphylococcus aureus, a uma toxina produzida pela Escherichia coli e ao fungo Candida. A resposta aos microrganismos foi avaliada através da produção de citoquinas, proteínas através das quais as células imunitárias exercem muitos dos seus efeitos.

Ao analisarem as relações possíveis entre as respostas imunológicas e a flora intestinal, os cientistas encontraram padrões claros através dos quais a flora intestinal e a sua função, refletida na produção de proteínas conhecidas por metabolitos, interagem com a resposta imunitária. Algumas destas interações dependiam de um determinado agente patogénico, outras das citoquinas e outras ainda dos dois intervenientes.

Os investigadores verificaram que, dependendo do estímulo específico de um determinado agente patogénico, a degradação do aminoácido triptofano no metabolito triptofol poderia inibir a produção da citoquina TNF-alfa. Foi também identificado o efeito do ácido palmitoleico, um ácido gordo encontrado em vários óleos alimentares e conhecido por suprimir algumas atividades imunes, na produção da citoquina interferão gama.

Ramnik J. Xavier, o líder do estudo, refere que estes resultados sugerem que as variações na flora intestinal alteram a produção de metabolitos que educam ou influenciam as células do sistema imunitário, conduzindo a diferentes resultados quando as células imunes são expostas a várias infeções.

O coautor de outros dois estudos publicados na mesma revista referiu que foram encontradas influências similares dos fatores ambientais, incluindo estação do ano, assim como idade e sexo dos participantes e diferenças genéticas na resposta imunitária.

O investigador conclui que o conhecimento de todos estes mecanismos complexos (genética, flora intestinal e ambiente) que afetam a resposta imunitária pode ajudar a identificar fatores responsáveis pelas diferentes suscetibilidades das pessoas a determinadas doenças e a desenvolver terapias mais direcionadas.