Data

16 Nov 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Estatinas reduzem risco de mortalidade por artrite

Estudo do Hospital Geral de Massachusetts

As estatinas, um fármaco habitualmente utilizado para diminuir os níveis de colesterol, pode reduzir, em cerca de um terço, o risco de mortalidade dos pacientes com determinadas formas de artrite, a espondilite anquilosante e a artrite psoriática, dá conta um estudo apresentado no encontro anual do Colégio Americano de Reumatologia.
A espondilite anquilosante é um tipo de artrite caracterizada pela inflamação das articulações na coluna vertebral, podendo também afetar outras áreas. Os pacientes afetados por esta doença têm dores de costas e rigidez, que muitas vezes começam no final da adolescência ou início da idade adulta. Em casos graves, a inflamação de longa duração pode conduzir à calcificação, fazendo com que os ossos da coluna vertebral se fundam.
A artrite psoriática é uma forma crónica da artrite caracterizada por inflamação da pele e das articulações. Os sintomas incluem dor e inchaço nas articulações. No caso de não ser tratada, esta doença pode conduzir a lesões articulares. Este tipo de artrite afeta os indivíduos entre os 30 e os 50 anos, sendo mais comum entre os pacientes com psoríase.
As duas formas de artrite aumentam o risco de morte por doenças cardiovasculares. Por outro lado, apesar de as estatinas reduzirem o risco de doença através da diminuição dos níveis de colesterol, alguns estudo têm sugerido que estes fármacos têm propriedades anti-inflamatórias que beneficiam a saúde cardiovascular.
Foi neste contexto que os investigadores do Hospital Geral de Massachusetts, nos EUA, decidiram avaliar se as estatinas poderiam reduzir a mortalidade dos pacientes afetados pela espondilite anquilosante e artrite psoriática.
Para o estudo, os investigadores, liderados por Amar Oza, contaram com a participação de 2.904 pacientes que tinham uma das duas formas de artrite, tendo começado o tratamento com estatinas entre 2000 e 2014. Estes pacientes foram emparelhados com 2.904 indivíduos com espondilite anquilosante e artrite psoriática que não tinham tomado estatinas.
Ao longo de um período de acompanhamento de cerca de 5,3 anos, 271 dos pacientes que começaram a tomar estatinas faleceram, comparativamente com os 376 que não tomaram estatinas. Os investigadores constataram que a toma de estatinas reduzia em cerca de 33% o risco de morte por qualquer causa.
Amar Oza conclui que, tendo em conta o risco aumentado de morte e doença cardiovascular dos pacientes com espondiloartropatias seronegativas, como a espondilite anquilosante ou a artrite psoriática, estes podem beneficiar das propriedades anti-inflamatórias e diminuição do colesterol das estatinas, talvez ainda mais do que a população em geral.