Data

10 Nov 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Dieta rica em proteína porque emagrece?

Estudo do Imperial College London

Investigadores do Reino Unido desvendaram o mecanismo pelo qual a dieta com elevado teor de proteína causa perda de peso. O estudo apresentado na Conferência Anual da Sociedade de Endocrinologia pode assim conduzir ao desenvolvimento de novos fármacos e dietas capazes de travar a crescente epidemia da obesidade.

As hormonas conduzem o apetite, informando o organismo quando um indivíduo tem fome ou está saciado. A grelina e a GLP-1 são as hormonas associadas à sensação de fome e saciedade, respetivamente.

Estudos anteriores já tinham demonstrado que as dietas ricas em proteínas incentivavam a perda de peso, uma vez que fazem com que as pessoas se sintam mais saciadas. No entanto, estas dietas são difíceis de aderir e ainda não são conhecidos os mecanismos responsáveis por esta associação.

De forma a elucidar esta temática, os investigadores do Imperial College London, no Reino Unido, realizaram várias experiências em ratos e em ratinhos. Na primeira experiência, foi administrada a dez animais uma dose única de fenilalanina, uma substância química produzida no intestino quando o organismo decompõe alimentos ricos em proteínas como carne, peixe, leite e ovos.

Na segunda experiência foi administrada repetidamente, ao longo de sete dias, fenilalanina a ratinhos com obesidade induzida por dieta. Foram incluídas nas duas experiências o mesmo número de animais aos quais não foi fornecida fenilalanina.

O estudo apurou que uma dose única de ingestão de fenilalanina reduzia a ingestão de alimentos, aumentava os níveis de GLP-1 e diminuía os níveis de grelina. A administração repetida também causou a perda de peso nos animais obesos. Verificou-se também que os ratinhos se deslocavam mais, o que poderia incentivá-los a perder peso.

Com o intuito de perceber os mecanismos através dos quais a fenilalanina poderia estimular as hormonas, os cientistas analisaram as células intestinais. Observou-se que a fenilalanina interagia com o recetor sensível ao cálcio CaSR e que este, por sua vez, conduzia a um aumento dos níveis de GLP-1 e diminuía o apetite.

Mariana Norton, a líder do estudo, refere que este trabalho demonstra que a ativação do CaSR pode suprimir o apetite, sugerindo que a fenilalanina e outras moléculas que estimulem este recetor, como fármacos ou componentes alimentares, podem ser utilizados para prevenir ou impedir a obesidade.