Data

30 Jun 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Vacina BCG: profissionais de saúde devem estar atentos às reações adversas

Recomenda o Infarmed

Os médicos, farmacêuticos e enfermeiros devem estar especialmente atentos a eventuais reações adversas à vacina BCG de um fabricante japonês que tem uma estirpe diferente daquela que era administrada recomenda a Autoridade do Medicamento.

Já se encontra disponível em Portugal uma vacina BCG para prevenção da tuberculose de um fabricante japonês para a qual a Autoridade do Medicamento (Infarmed) concedeu autorização de utilização excecional, depois de a única vacina licenciada se encontrar indisponível e sem alternativa.

“Atendendo a que esta vacina dispõe de uma estirpe distinta da que era anteriormente administrada no âmbito do Programa Nacional de Vacinação, o Infarmed recomenda que os médicos, farmacêuticos e enfermeiros estejam especialmente atentos a eventuais reações adversas a esta vacina, à semelhança do que sucede com todos os novos medicamentos”, refere a Autoridade do Medicamento em comunicado ao qual a agência Lusa teve acesso.

O Infarmed sugere que os utentes e familiares de crianças que vão receber esta vacina notifiquem de igual forma estes eventuais efeitos ou reações.

A Direção-geral da Saúde referiu no início deste mês que Portugal tinha 64 mil doses de vacina prontas para serem colocadas nas instituições e um “canal aberto de importação do Japão”.

A vacina BCG contra a tuberculose, que era administrada a todas as crianças logo após o nascimento, vai passar a ser dada apenas a crianças que pertencem a grupos de risco, sendo esta uma das várias novidades do novo Programa Nacional de Vacinação (PNV).

De acordo com a subdiretora geral da Saúde, Graça Freitas, que coordena o PNV, a transição da vacinação universal para a proteção de grupos de risco é “um momento histórico”.

A partir de 01 de janeiro de 2017, apenas serão vacinadas com a BCG as crianças que pertencem a famílias com risco acrescido para a tuberculose ou as que vivem numa determinada região com uma taxa da doença superior à do país, como nos distritos de Lisboa e Porto.