Data

16 Jun 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Roda de Alimentação Mediterrânica

Iniciativa da Universidade do Porto

Investigadores da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP) criaram uma Roda dos Alimentos Mediterrânica onde são valorizados aspetos como a cultura, a tradição e o equilíbrio.

Esta nova Roda dos Alimento “pretende promover e valorizar a alimentação mediterrânica junto da população portuguesa, salientando não só a componente alimentar, mas também os elementos inerentes ao seu estilo de vida”, refere a notícia presente no sítio da Universidade do Porto.

A forma em roda, que reflete o prato e o convívio mediterrânico à volta da mesa, evidencia os alimentos mediterrâneos mais relacionados com o padrão português, em diferentes grupos. É possível identificar a azeitona e o azeite, no grupo dos óleos e gorduras, e a cebola, o alho, a couve-galega, os grelos, o tomate, os pimentos e as beldroegas, por exemplo, no grupo das hortícolas.

No grupo da fruta, destacam-se o melão, o figo, a laranja, a tangerina, a nêspera, e a romã, enquanto nos cereais, nos tubérculos e nos frutos amiláceos, podem ser encontrados a batata-doce, a castanha, a massa e o arroz integral.

A carne, o pescado e ovos, outro dos grupos, dá destaque ao peixe, em especial à sardinha, ao carapau, à cavala e ao atum. Nos laticínios são referidos o queijo e o iogurte, e no grupo das leguminosas é indicado que todas sejam ingeridas.

Este novo guia alimentar aconselha o consumo de frutos gordos e introduz o vinho, alertando para uma ingestão moderada, às refeições, e proibida para as crianças, adolescentes, grávidas e aleitantes.

As investigadoras da FCNAUP envolvidas no projeto, Sara Rodrigues e Bela Franchini, apelam ainda à preferência pela proveniência local dos alimentos e à incorporação de ervas aromáticas para evitar o abuso do sal.

Salientam a importância de uma gastronomia saudável, recorrendo a técnicas culinárias sadias tradicionais, como sopas, ensopados e caldeiradas, e à inserção da confeção dos alimentos no quotidiano através da partilha com família e amigos, bem como o combate ao sedentarismo.