Data

17 Jun 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Recuperação após AVC: novos caminhos

Estudo da Universidade da Beira Interior

A Universidade da Beira Interior (UBI) atingiu resultados promissores em novos caminhos para a recuperação de doentes que tenham sofrido Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Numa nota de imprensa enviada à agência Lusa, a UBI refere que está a ser realizado um estudo no Centro de Investigação em Ciências da Saúde (CICS) da universidade que aponta para a possibilidade de tratamento com nanopartículas (quer por via intravenosa, quer pelo método in vitro), contendo ácido retinóico.

"Em teoria, a administração destas nanopartículas não só pode reabilitar os vasos propriamente ditos, mas igualmente possibilitar que novos neurónios proliferem, migrem para a zona de lesão e sobrevivam", refere a líder do estudo, Raquel Ferreira.

Os resultados publicados na revista "Nanoscale" são, segundo a investigadora, “robustos" e foram mais longe do que se esperava inicialmente, abrindo portas a outra utilização da técnica realizada.

Desta forma, por um lado, há a possibilidade de "administração destas partículas de forma intravenosa, de maneira a estimular o mecanismo de regeneração interno", método para o qual ainda é necessário fazer testes de modo a confirmar que não há riscos para outros órgãos.

Por outro lado, pode também proceder-se à recolha "das células progenitoras endoteliais, aumentar o seu número in vitro e voltar a injetá-las no doente para que façam o que sabem de melhor, ou seja, promover a reparação tanto vascular como do tecido cerebral", explicou Raquel Ferreira.

A investigação pretende agora avançar para testes em modelo animal e dentro de um ano os investigadores esperam obter mais elementos que complementem estes dados.