Data

02 Jun 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Neuroprótese melhora capacidade de marcha nos pacientes com AVC

Estudo publicado no ''American Journal of Physical Medicine & Rehabilitation''

Uma neuroprótese implantada cirurgicamente melhorou substancialmente a rapidez e distância da marcha de um paciente com mobilidade limitada após um acidente vascular cerebral (AVC), dá conta um estudo publicado no “American Journal of Physical Medicine & Rehabilitation”.

Os investigadores do Centro Médico de Assuntos de Veteranos de Cleveland Louis Stokes, nos EUA, implantaram a neuroprótese num indivíduo com 64 anos com função motora e sensibilidade da perna e pé esquerdo afetada após um AVC hemorrágico. Após avaliação minuciosa, o paciente foi submetido a uma cirurgia onde foi colocado um gerador de impulsos implantável e elétrodos de estimulação intramuscular nos músculos da anca, joelho e tornozelo.

Posteriormente, foi criado um programa de estimulação elétrica personalizado para ativar os músculos, com o objetivo de restaurar um padrão de marcha mais natural. O paciente foi submetido a um treino extenso, ao longo de vários meses, após a colocação da neuroprótese.

Os investigadores verificaram que o paciente apresentou melhorias significativas na velocidade e na distância da marcha. A velocidade de marcha aumentou de 0,29 metros por segundo (m/s) antes da cirurgia, para 0,35 m/s após o treino, mas sem estimulação muscular. Contudo, quando a estimulação muscular foi ativada, a velocidade da marcha aumentou drasticamente para 0,72 m/s. Uma análise mais detalhada da capacidade de marcha também demonstrou que o paciente adquiriu uma marcha mais simétrica e dinâmica.

O estudo apurou ainda que o paciente foi capaz de caminhar uma maior distância, tendo inicialmente andado 76 metros antes de se sentir cansado. Após o treino, mas sem estimulação, o paciente foi capaz de andar cerca de 300 metros, em 16 minutos. Com estimulação, a distância máxima percorrida pelo paciente foi de 1.400 metros, em 41 minutos.

“A distância da marcha aumentou 370% com a estimulação, enquanto a velocidade da marcha duplicou”, referiram em comunicado de imprensa os investigadores.

Apesar de o paciente não estar a andar com estimulação fora do laboratório, a sua capacidade de marcha na vida quotidiana melhorou significativamente.

"O efeito terapêutico é provavelmente um resultado do condicionamento muscular durante o exercício estimulado e o treino da marcha. A utilização persistente do dispositivo durante a caminhada pode proporcionar uma formação contínua que mantém tanto o condicionamento muscular como a saúde cardiovascular”, referiram os investigadores.

Apesar de os resultados serem animadores, os cientistas referem que são necessários mais estudos de maior dimensão para demonstrar a aplicabilidade da neuroprótese para o controlo de várias articulações.