Data

03 Jun 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Deixar de fumar: qual é a melhor altura do ciclo menstrual?

Estudo publicado na revista ''Biology of Sex Differences''

As mulheres que querem deixar de fumar podem ter mais sucesso se tiverem em conta os dias ótimos do ciclo menstrual, sugere um estudo divulgado na revista “Biology of Sex Differences”.

O tabagismo continua a ser a principal causa de morte evitável nos EUA. O tabaco tem consequências mais graves para as mulheres do para os homens. Estas têm um risco 25% maior de desenvolver doença arterial coronária e doença pulmonar obstrutiva crónica. Por outro lado, as mulheres têm mais dificuldade na cessação tabágica do que os homens.

“Entender como as fases do ciclo menstrual afetam os processos neuronais, a cognição e o comportamento é um passo importante para o desenvolvimento de tratamentos mais eficazes e para a seleção das melhores opções de tratamento e mais individualizadas para ajudar os fumadores a interromperem este hábito”, revelou, em comunicado de imprensa, o líder do estudo, Reagan Wetherill.

Já há alguns anos que os investigadores da Universidade da Pensilvânia, nos EUA, se têm debruçado sobre esta temática, tendo o seu trabalho sido baseado em estudos realizados em animais que demonstraram que as hormonas sexuais naturais – o estrogénio e a progesterona – que variam ao longo do ciclo menstrual modulam o comportamento aditivo.

Durante o período pré-menstrual ou fase luteínica, quando a razão entre os níveis de progesterona e estrogénio são elevados, os comportamentos aditivos são reprimidos, o que sugere que a progesterona pode proteger as mulheres de voltarem a fumar.

Para o estudo, os investigadores contaram com a participação de 38 mulheres, entre os 21 e os 51 anos, que fumavam, mas não tomavam contracetivos hormonais. As participantes foram submetidas a uma ressonância magnética funcional para analisar como as regiões do cérebro que ajudam a controlar o comportamento estão funcionalmente ligadas a outras regiões que sinalizam a recompensa.

Os investigadores colocaram a hipótese de as variações naturais das hormonas dos ovários, que ocorrem ao longo do ciclo menstrual mensal, afetarem a forma como as mulheres tomam decisões relativamente à recompensa (fumar um cigarro) e àquilo que funciona como estímulo para fumar, que são as pessoas, lugares e coisas que os fumadores associam ao tabagismo, tais como o cheiro de um cigarro aceso ou a pausa para café. Estes "lembretes" para fumar são percecionados como algo agradável e desejável, sendo também gratificantes.

Os investigadores já tinham apurado que, comparativamente com as mulheres que estão na fase luteínica, aquelas que estão na fase folicular, que tem início na menstruação e continua até à ovulação, têm respostas aumentadas aos estímulos para fumar nas regiões cerebrais envolvidas na recompensa. Para o estudo, as mulheres foram separadas em dois grupos: as que se encontravam na fase folicular e as que estavam na fase luteínica.

O estudo apurou que, durante a fase folicular, havia uma redução da conetividade funcional entre as regiões do cérebro que ajudam a tomar boas decisões (regiões corticais) e as regiões que contêm o centro de recompensa (estriado ventral). Estes resultados sugerem que, nesta fase, as mulheres podem ter um maior risco de continuar a fumar ou de ter recaídas.

Teresa Franklin, uma das autoras do estudo, refere que estes achados apoiam aqueles obtidos com animais e a literatura humana emergente que tem demonstrado que a progesterona pode ter um efeito protetor sobre os comportamentos aditivos. Adicionalmente, este estudo também demonstra que há diferença entre os homens e as mulheres no que diz respeito ao comportamento tabágico e recaídas.