Data

03 Jun 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Ácido salicílico tem propriedades anticancerígenas

Estudo publicado na revista ''eLife''

Investigadores americanos identificaram uma nova via através da qual o ácido salicílico, um composto-chave dos fármacos anti-inflamatórios não esteroides, como a aspirina e o diflusinal, impedem a inflamação e o cancro, dá conta um estudo publicado na revista “eLife”

Os investigadores do Instituto Gladstone, nos EUA, constataram que tanto a aspirina como o diflusinal suprimem duas proteína- chave que controlam a expressão genética no organismo. Estas proteínas, a p300 e a CBP (do inglês, CREB-binding protein) são reguladores epigenéticos que regulam os níveis de proteínas que causam inflamação ou estão envolvidas no crescimento celular.

O estudo apurou que através da inibição da p300 e da CBP, a aspirina e o diflusinal bloqueiam a ativação destas proteínas e impedem os danos celulares causados pela inflamação. Estes resultados fornecem pela primeira vez uma demonstração concreta de que a p300 e a CBP podem ser alvo de fármacos e podem ter implicações clínicas importantes.

Eric Verdin, um dos autores do estudo refere que o ácido salicílico é um dos fármacos mais antigos do planeta, que remonta aos egípcios e gregos, mas ainda continuam a ser descobertas características novas. ”A descoberta desta via de inflamação na qual o ácido salicílico atua abre uma série de novas possibilidades clínicas para estes fármacos”, acrescentou o investigador.

Estudos anteriores realizados pelos investigadores da Universidade de Miami, nos EUA, em colaboração com Eric Verdin já tinham constatado que havia uma ligação entre o p300 e a AML1-ETO, uma proteína promotora da leucemia.

Neste estudo, os investigadores decidiram avaliar se a supressão da p300 com o diflusinal impedia o desenvolvimento da leucemia em ratinhos. Tal como era esperado verificou-se que o fármaco foi capaz de impedir a progressão do cancro e diminuir os tumores num modelo de ratinho para a leucemia.

"A capacidade de redirecionar fármacos que já estão aprovados pela FDA para fazerem parte de novas terapias para pacientes com cancro é muito entusiasmante", referiu Stephen D. Nimer, investigador neste estudo e filiado à Universidade de Miami.

Um ensaio clínico do ácido salicílico em pacientes com cancros hematológicos demonstrou que o fármaco era seguro. Deste modo, o esforço de desenvolvimento de novas terapias epigenéticas é um próximo passo importante para encontrar um tratamento mais eficaz para os pacientes com leucemia.

Os investigadores estão a realizar um ensaio clínico para testar a capacidade de o ácido salicílico tratar doentes com leucemia, como parte de novas terapias de combinação. Outras das possíveis aplicações clínicas incluem outras formas de cancro, diabetes tipo 2, doenças inflamatórias, e mesmo doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer.