Data

12 Dez 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Radioterapia de última geração chega ao Algarve

Declarações do diretor clínico da Unidade de Radioterapia

A partir de janeiro o Algarve vai ter um equipamento de radioterapia de última geração que vai permitir tratar os doentes com cancro em períodos mais curtos e com menos efeitos secundários, de acordo com o diretor clínico da Unidade de Radioterapia do Algarve.
O novo acelerador linear que está a ser instalado naquela unidade, em Faro, dispõe de uma tecnologia mais avançada relativamente à máquina que já ali existia, permitindo acelerar os tempos de tratamento e emitir menos radiações para os tecidos saudáveis dos doentes, explicou à agência Lusa Guy Vieira.
"Este novo equipamento é mais assertivo e à partida causará menos efeitos secundários porque temos uma redução nas margens do campo de tratamento", disse, observando que a nova máquina permite "administrar a mesma dose [de radiação] em menos tempo", pelo que o tempo de tratamento será "menor do que nas outras".
O médico oncologista referiu que a máquina deverá entrar em funcionamento a partir de janeiro, após ser submetida a testes para verificar se não há fugas de radiação. Só depois será emitida a licença para começar a tratar os doentes.
O novo equipamento vai permitir que os pacientes se submetam a tratamentos específicos e mais complexos, através de tecnologia "de ponta", evitando que tenham que deslocar-se a outras zonas do país, referiu Guy Vieira.
Uma das novas técnicas disponibilizadas é a radioterapia guiada por imagem, sistema automatizado que possibilita a colocação do paciente no local certo por situar, de forma mais exata, o tumor em causa.
"São máquinas mais eficazes e a precisão não tem tanto a ver com o feixe de energia, mas mais com o sistema de localização e deteção do tumor", acrescentou Guy Vieira.
De acordo com o presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve, trata-se de um "grande avanço" em relação ao aparelho de radioterapia que já existia naquela unidade, inaugurada há dez anos.
"Já permite fazer tratamentos oncológicos mais complexos, o que o anterior não permitia, e acaba por ser uma grande mais-valia para a população do Algarve", disse João Moura Reis à agência Lusa.