Data

06 Dez 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Psoríase: anticorpo inibe alvo errado?

Estudo na revista ''Nature Communications''

O antibiótico, ustekinumab, utilizado no tratamento da psoríase pode estar a neutralizar um dos mensageiros inflamatórios do sistema imunitário que afinal pode ser útil na batalha contra a doença, sugere um estudo publicado na revista “Nature Communications”.

A psoríase é uma doença inflamatória da pele caracterizada por uma severa descamação da pele em áreas que podem ser pequenas ou do tamanho da palma da mão. Estima-se que a doença afete entre dois a três por cento de todos os europeus.

Acredita-se que a doença seja causada devido ao mau funcionamento do sistema imunológico. O tratamento da psoríase passa pela eliminação dos mensageiros de inflamação. O anticorpo ustekinumab, utilizado no tratamento da doença desde 2009, liga-se a duas interleuquinas (IL) a 12 e 23 inibindo consequentemente os seus efeitos supostamente pró-inflamatórios. Este anticorpo é especialmente utilizado para combater as placas psoríase em pacientes que não respondem às terapias superficiais.

Os estudos desenvolvidos nos últimos dez anos têm de facto demonstrado que a IL-23 é a força motriz dominante da psoríase. Contudo, neste estudo os investigadores do Helmholtz Zentrum München, da Universidade de Munique, na Alemanha e da Universidade de Zurique, na Suíça, sugerem que a IL-12 tem um efeito positivo na pele afetada pela psoríase.

Os investigadores, liderados por Burkhard Becher, começaram por utilizar modelos experimentais para analisar a influência da IL-12 e da IL-23 nas células da pele. Verificou-se que a IL-12 ativa um programa protetor nas próprias células da pele e evita a infiltração de determinadas células imunitárias patogénicas (os linfócitos T produtores de IL-17), que inibem a reação inflamatória.

De acordo com o investigador, estes achados indicam que, contrariamente à IL-23, a IL-12 tem um efeito positivo na pele afetada pela psoríase. Uma vez que o ustekinumab é utilizado rotineiramente no tratamento da psoríase e como este anticorpo neutraliza tanto a IL-23 como a IL-12 deve ser realizada uma análise mais aprofundada ao facto de o efeito sobre a IL-12 ser ou não contraproducente.

Os cientistas planeiam realizar no futuro mais estudos para averiguar se a IL-12 pode também ter um efeito positivo noutros sintomas.

Stefan Haak, um outro autor do estudo, conclui que alguns dados clínicos apoiam a hipótese de que a inibição específica da IL-23 / IL-17 seria, provavelmente, uma alternativa mais direcionada.