Data

07 Dez 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Investigadora portuguesa recebeu uma das mais prestigiadas bolsas de saúde mental

Comunicado da Universidade do Minho

Uma investigadora da Universidade do Minho (UMinho) recebeu uma das mais prestigiadas bolsas na investigação em saúde mental, e pretende identificar novos biomarcadores do declínio cognitivo inerentes ao envelhecimento, neurodegeneração e exposição ao stress crónico, anunciou aquela instituição.
Num comunicado ao qual a agência Lusa teve acesso, a academia minhota referiu que a bolsa atribuída a Neide Vieira, de 32 anos e a fazer o pós-doutoramento no Instituto de Investigação em Ciências da Vida e da Saúde (ICVS), na Escola de Medicina da Universidade do Minho, em Braga, distingue os jovens investigadores "mais promissores do mundo" naquela área de estudo.
A investigadora pretende "apoiar novas estratégias para prevenir, retardar e reduzir" o declínio cognitivo.
"Os mecanismos moleculares subjacentes ao envelhecimento e as doenças associadas, como as neurodegenerativas, não são ainda completamente conhecidos. Acredita-se que se prendam em parte com a desregulação do equilíbrio proteico no interior das células, ou seja, que diferentes proteínas se apresentem em maior ou menor quantidade, conduzindo a uma disfunção celular", explicou Neide Vieira no comunicado.
A UMinho explica que "o estudo das proteínas envolvidas na manutenção daquele equilíbrio é, por isso, essencial" pelo que um dos objetivos da investigação de Neide Vieira é "compreender como a expressão e função de certas proteínas muda durante o envelhecimento e na presença de fatores ambientais de risco".
A investigadora pretende avaliar "de que forma estas alterações podem afetar negativamente o sistema nervoso central, nomeadamente a memória e a aprendizagem, através da desregulação da neurotransmissão".
A "NARSAD Young Investigator Grant" foi atribuída pela Brain & Behavior Research Foundation, EUA, a entidade que mais apoia a pesquisa em neurobiologia no mundo, tendo o júri de avaliação incluído dois Prémios Nobel.