Data

01 Dez 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Exercício físico deve ser utilizado no tratamento da disfunção erétil

Estudo publicado no "British Journal of Sports Medicine"

O exercício físico pode e deve ser usado no tratamento da disfunção erétil, a par da medicação e sob supervisão médica, defendem os investigadores do Centro de Investigação em Tecnologias e Sistemas de Saúde (Cintesis) da Universidade do Porto.
No estudo publicado no “British Journal of Sports Medicine”, liderado por Carlos Martins e Luís Azevedo, foi realizada uma extensa e aprofundada pesquisa, seleção e análise da literatura e agregados os resultados de sete ensaios clínicos desenvolvidos entre 2004 e 2013, envolvendo 478 participantes com diagnóstico de disfunção erétil e idades compreendidas entre os 43 e os 69 anos.
De acordo com a notícia avançada pela agência Lusa, os resultados indicaram que a atividade e exercício físicos melhoram a disfunção erétil, especialmente os exercícios aeróbicos com intensidade moderada a vigorosa.
André Silva, primeiro autor deste trabalho, referiu que “o principal desafio é mudar o paradigma de tratamento, incluindo a atividade física como terapia adjuvante. Isso vai exigir a participação de equipas multidisciplinares que incluam especialistas em urologia, medicina geral e familiar, fisioterapia, medicina desportiva e enfermeiros devidamente treinados”.
O investigador acrescenta que “o exercício físico deve ser incluído como tratamento sob supervisão clínica, sendo importante excluir contraindicações relevantes para este tipo de intervenção”.
Uma vez que ainda não é claro quanto tempo levará até que a prática de exercício físico melhore de forma significativa a disfunção erétil, por isso, os investigadores defendem que é importante “promover ensaios clínicos maiores, que acompanhem os pacientes por longos períodos, para investigar que tipo específico de exercício funciona melhor e por quanto tempo deve ser recomendado”.
De acordo com os autores do estudo, a disfunção erétil é um problema crescente na sociedade atual que afeta 8% dos homens entre os 20 e os 30 anos de idade. Esta taxa aumenta substancialmente com a idade, estimando-se que atinja 37% dos homens entre os 70 e os 75 anos.
Para além de ter “um forte impacto negativo” na qualidade de vida dos afetados, a disfunção erétil é “um reconhecido indicador da presença de doenças cardiovasculares”.
“É importante que os homens que se veem confrontados com problemas em ter ou manter uma ereção procurem o seu médico assistente, não só para resolverem a disfunção erétil, mas também para avaliarem a existência de outros problemas de saúde potencialmente importantes”, conclui André Silva.