Data

16 Dez 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Desenvolvida tecnologia que permite fazer fisioterapia em casa

Tecnologia desenvolvida por empresa do Porto

Uma empresa do Porto desenvolveu uma tecnologia que permite aos pacientes fazer fisioterapia em casa, tornando a reabilitação mais cómoda e eficaz, reduzindo o tempo de recuperação e proporcionando mais horas de exercícios sem aumentar custos.
Segundo a notícia avançada pela agência Lusa, a Sword Arya pode ser vista como um terapeuta digital que, a partir de um sistema de quantificação, analisa os movimentos feitos pelos pacientes e dá-lhes informações como se de um humano se tratasse.
Os utilizadores colocam os sensores nos membros que vão exercitar e registam-se na aplicação, que lhes vai indicar quais os exercícios que devem ser feitos, acompanhando-os ao longo do treino e dando indicações sobre os movimentos realizados.
Esta tecnologia fornece 'feedback' dos exercícios também às equipas clínicas que acompanham o paciente, quer seja no hospital, no centro de reabilitação ou à equipa de fisioterapeutas do Sword Arya, podendo estas avaliar o desempenho do paciente, alterar o programa e deslocar-se às suas casas sempre que haja necessidade para tal.
De acordo com o Virgílio Bento, engenheiro eletrónico que lidera a equipa, a aplicação pode ser utilizada por pacientes em casos de recuperação após um acidente vascular cerebral (AVC), reabilitação do joelho, da anca, do ombro e prevenção pós-quedas.
A tecnologia desenvolvida no Porto já está nos Estados Unidos, através de uma rede de clínicas de fisioterapia. Atualmente, a equipa da Sword Arya está a negociar a entrada em quatro hospitais na China, país onde "há um terapeuta para cada cem mil pessoas".
A ideia para a criação do terapeuta digital surgiu a partir de uma história pessoal. Quando era jovem, o irmão de Virgílio Bento ficou em coma durante um ano, depois de ter sido vítima de um atropelamento, e este assistiu, "na primeira pessoa", à dificuldade em aceder a uma terapêutica de reabilitação eficaz, principalmente "inacessível" a quem não tem recursos financeiros como a sua família tinha.
"Os meus pais, que eram ambos professores, por verem que não havia a disponibilidade de recursos humanos e a disponibilidade do centro de reabilitação em providenciar ao meu irmão mais horas de reabilitação por dia, assumiram o papel de terapeuta, o que fez com que a intensidade terapêutica fosse maximizada, tendo acelerado a sua recuperação", referiu.