Data

29 Ago 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Alergia ao pólen de ambrósia poderá afetar 77 milhões de europeus em 2050

Estudo publicado na revista ''Environmental Health Perspectives''

O número de europeus que sofrem de alergia ao pólen de ambrósia pode duplicar até 2050 devido às alterações climáticas. O estudo publicado na revista “Environmental Health Perspectives” conclui que este número pode chegar aos 77 milhões em vez dos atuais 33 milhões.

A ambrósia, uma planta invasora originária da América do Norte, cujo pólen provoca fortes alergias, está já muito presente no centro e no sul da Europa. Segundo a notícia avançada pela agência Lusa, a alergia à ambrósia faz parte das alergias aos pólenes ou alergias sazonais que afetam já, em graus diferentes, perto de 40% dos europeus.

Estas alergias podem ser provocadas pelos pólenes de algumas árvores (bétula, acipreste, entre outras) na primavera e depois, no verão e no outono, pelos pólenes de gramíneas ou de ervas daninhas.

“É o primeiro estudo destinado a quantificar o eventual impacto das alterações climáticas nas alergias”, referiu o líder da investigação, Iain Lake.

Para o estudo, os investigadores basearam-se em projeções que mostram que os pólenes de ambrósia irão, no futuro, estender-se a outros países europeus, como a Alemanha ou a Polónia.

De acordo com os investigadores, dois terços do aumento podem ser atribuídos às mudanças climáticas, ao passo que o restante terço se explica pela propagação natural da planta invasora.

Contudo, se forem adotadas medidas para combater a ambrósia, o número dos alérgicos poderá cair para 52 milhões em 2050 ou, pelo contrário, aumentar para 107 milhões se a propagação ocorrer mais rapidamente que o previsto, observou, por sua vez, uma investigadora da Universidade de Viena, Michelle Epstein.

No futuro, a investigadora prevê um agravamento dos sintomas de alergia à ambrósia, devido a uma mais forte concentração de pólenes e de uma “época” mais longa que a atual, estendendo-se de meados de setembro a meados de outubro.

A planta, que pode atingir 1,80 metros, é extremamente resistente, adapta-se a quase todos os solos, não teme a seca e produz sementes que podem manter-se viáveis durante mais de dez anos na terra.