Data

21 Abr 2016



Fonte

ALERT Life Sciences Computing, S.A.





Partilhar
Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter



Modelo matemático desafia tratamentos agressivos com antibióticos

Estudo publicado na revista ''PLoS Computational Biology''

Investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) desenvolveram um modelo matemático para avaliar o melhor protocolo de tratamento para eliminar uma infeção, ao ter em consideração o papel do sistema imunitário do hospedeiro. O estudo publicado na revista “PLoS Computational Biology” pode ser utilizado no futuro para os tratamentos personalizados.
Os antibióticos são necessários para tratar várias infeções bacterianas, mas a sua utilização indevida e excessiva tem contribuído para um aumento da resistência bacteriana, um dos problemas mais desafiantes da medicina moderna.
Na presença de resistência, os tratamentos habituais são menos eficazes e não funcionam. Uma vez que a descoberta de novos antibióticos nem sempre acompanha a taxa com que as novas resistências se desenvolvem, é importante promover uma utilização mais racional dos antibióticos disponíveis.
Neste estudo, as investigadoras do IGC e da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa abordaram esta questão através do desenvolvimento de uma ferramenta matemática que compara diferentes tratamentos. Estes incluíram tratamentos agressivos, com a maior dose possível de antibióticos, terapias moderadas que combinam o momento adequado, dosagem reduzida de drogas e tratamento de curta duração.
Com base na análise matemática e simulações de computador, as investigadoras, Erida Gjini e Patrícia H. Brito, compararam os tratamentos clássicos, que envolvem uma dose e duração fixa, com os adaptativos, onde a dose e a duração seguem os sintomas dos pacientes, de forma a compreender como o problema da resistência aos antibióticos pode ser minimizado sem comprometer a saúde do paciente.
Erida Gjini referiu que a imunidade do hospedeiro é importante, mas é frequentemente negligenciada no processo da eliminação da infeção. “Uma resposta imunitária forte pode reduzir substancialmente a necessidade de um tratamento agressivo, só temos que descobrir como”, referiu a investigadora num comunicado publicado na página do instituto.
De acordo com Patrícia H. Brito, através deste modelo é possível quantificar a força da resposta imunológica, conjuntamente com o tempo, dose e duração do tratamento apropriados determinam o sucesso ou insucesso dos tratamentos com antibióticos.
A utilização de simulações pode também prever que algumas recidivas podem ser causadas por bactérias sensíveis, que podem ser tratadas com o mesmo antibiótico, e não por bactérias resistentes, que é geralmente o assumido.
“A otimização dos tratamentos na era da medicina personalizada necessitará cada vez mais de indicadores quantificáveis da resposta imune do hospedeiro, da patologia e dos processos de recuperação ao longo da infeção. As abordagens matemáticas e computacionais, como as adotadas neste estudo, serão importantes para integrar essas informações importantes com a prática clínica”, concluiu Erida Gjini.